Ex-sócio de Luciano Huck é suspeito de corrupção junto ao MDB

Amigo e ex-sócio de Luciano Huck, Ronaldo e Alexandre Accioly, o empresário Roberto Rzezinski foi preso na quinta (3) pela operação ‘Câmbio, desligo’, sob suspeita de operar esquema corrupto junto ao MDB.

Resultado de imagem para EX SOCIO DE LUCIANO HUCK
Luciano Huck e Aécio Neves  - Ilustrativa (Imagem: Portal Vermelho)

Roberto Rzezinski, preso na quinta-feira (3) no âmbito da operação ‘Câmbio, desligo’, que investiga uma complexa rede de doleiros e operadores financeiros engajados em lavagem de dinheiro e evasão de divisas, era um assíduo frequentador de colunas sociais de jornais.

Entre seus amigos e ex-sócios, destacam-se o apresentador Luciano Huck , o ex-jogadorRonaldo , o ex-prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes e o empresário Alexandre Accioly.

Rzezinski é suspeito de participação no esquema revelado pelos delatores Vinícius Claret, o “Juca Bala” e Cláudio Barbosa, conhecido como “Tony”. De acordo com a dupla, ele teria trocado, entre 2011 e 2017, US$ 12 milhões em contas no exterior por valores correspondentes em reais em espécie.

A suspeita da Polícia Federal é que Rzezinski fazia as transações para dificultar a identificação da origem do dinheiro – que, para o Ministério Público, poderia ser ilegal, fruto de propinas. Bala e Tony afirmaram, em seus depoimentos, que Rzezinski pedia discrição nos serviços e que “em mais de uma oportunidade”, disse que trabalhava para membros do MDB .

As operações financeiras realizadas por ele, inclusive, se intensificavam durante os períodos eleitorais. Ele era próximo também de Dario Messer, tido pela PF como o principal doleiro do país.

Em nota, o apresentador Luciano Huck afirmou que Rzezinski era apenas um de seus muitos sócios. “Avalio com tristeza as denúncias contra Roberto Rzezinski. Nossa relação é de longa data e para mim ele sempre foi um empresário e empreendedor. Nunca tive conhecimento de qualquer outra atividade dele”, afirmou.

Curso de lavagem

Uma das condições a que Juca Bala e Tony se submeteram em seus acordos de delação premiada está ministrar cursos voltados para o Ministério Público Federal. O tema será a principal especialidade dos dois: lavagem de dinheiro e evasão de divisas . O objetivo é demonstrar aos procuradores como se dão as operações ilegais, facilitando investigações futuras.

Ao todo, eles terão de prestar este serviço ao Ministério Público durante seis anos, totalizando 1200 horas-aula. Embora tenham prestado diversos serviços à Sergio Cabral ( MDB ) em seus esquemas de corrupção, eles se encontram em liberdade, nos termos do acordo firmado.

Como consequência da delação dos dois, o Ministério Público e a Polícia Federal deflagraram a operação ‘Câmbio, desligo’, cujo foco é justamente a atividade de doleiros tidas como suspeitas. Estima-se que, entre os investigados, foram lavados US$ 1,652 bilhões.

IG - ULTIMO SEGUNDO


source http://www.diariopotiguar.com.br/2018/05/ex-socio-de-luciano-huck-e-suspeito-de.html
Compartilhe no Google Plus

0 comentários:

Postar um comentário